TV faz 70 anos no Brasil! E a dublagem com isso?

Cara leitora, caro leitor, eu já começo o texto de hoje te respondendo à pergunta-título da seguinte forma: TU-DO, T-U-D-O A VER com isso! Lembra do meme: “Mais que amigas, friends.”? Pois é, assim é a relação dessas duas. (Hahahaha)

Sabemos que a não nasceu com a TV, mas ela foi a responsável por popularizá-la, transformando-a em um hábito cultural aqui no Brasil e é impossível não associá-las na construção e consolidação desse veículo comunicacional tão popular no país há 70 anos, responsável por aproximar os espectadores das artes.

Vamos pensar: a quantos programas, filmes, séries, novelas e desenhos animados nós crescemos assistindo na TV? E quantos desses não contaram com a presença e a voz de nossos incríveis ? Diversos, não é? Portanto, não dá para falar de sem falar de e vice-versa.

Suas histórias estão interligadas. E foi na noite do dia 18 de setembro que a TV fez sua estreia no Brasil, ainda para poucos e com programação somente ao vivo e em preto e branco. 

Contudo, dos anos 50 até hoje, ela só vem se modernizando e alcançando cada vez mais pessoas. Durante esse tempo, o videotape entrou em cena, ela ganhou cores, virou digital e até na internet já está!

Desses 70 anos, eu já estou há 34 acompanhando essa evolução (Ah, eu sei, não aparento ter essa idade toda. Obrigada! Mas, esse papo fica pra depois, tá? =D) e te garanto: já vi de um tuuudo na TV! Minha memória de museóloga guarda muitas histórias boas e divertidas lembranças, quase todas ligadas a !

Adoro e como muitos da minha geração, tivemos essa telinha como uma babá e amiga! Eu assistia tudo, mesmo, de todas as emissoras e minha curiosidade sempre foi tanta, que ainda criança até TeleCurso 2000 eu gostava de assistir.

E o Globo Ecologia com ?! Assistia também, assim como todos os programas de cultura e ciência! (Eu sei, o auge! rs Mas eu adoro estudar e aprender!)

Assim, eu fui me fascinando pela TV e me apaixonando pela dublagem, a ponto de tão nova já reconhecê-la como arte e conseguir identificar as vozes dos , principalmente quando eles faziam alguma ou programa.

A , por exemplo, que sou muito fã e já homenageei aqui na coluna, foi uma que logo reconheci atuando nas novelas e claro, os : , e ícones do humor brasileiro e com suas vozes tão especiais também foram rapidamente percebidos por mim.

Eu posso falar como fã, telespectadora e pesquisadora, temos os melhores profissionais do mundo na TV e na dublagem. Artistas versáteis que transitaram e transitam muito bem por todas as possibilidades que a arte da interpretação oferece.

Muitos deles, tivemos a oportunidade de ver atuando em produções nacionais e de ouvir nas versões dubladas ao mesmo tempo sendo exibidas na TV. Isto, contribuiu muito para nossa memória afetiva e cultural com a TV e o encantamento por ela e pela arte da dublagem.

Pois, através deste veículo passamos a aprender coisas novas, conhecemos outras culturas e nos sentíamos mais próximos dos artistas que invadiam as nossas casas por meio da telinha. 

São inúmeras as produções que contaram com dubladores queridos por nós, por isso, separei algumas participações curiosas e marcantes para relembrarmos. Confira abaixo:

como Dona Lola e Gilberto Chagas como Júlio em 1958 na telenovela  Éramos Seis exibida ao vivo pela TV Record.
  • Você sabia? A saudosa (voz da Tia May no desenho Homem-Aranha dos anos 90, Dona Benta no desenho do Sítio do Picapau Amarelo, entre outros.) foi a primeira Dona Lola da TV brasileira. Personagem central do romance literário Éramos Seis, escrito por Maria José Dupré e exibida pela TV Record em 1958. O sucesso deste romance foi tanto que rendeu diversas adaptações para teledramaturgia ao longo da história. Mas, antes disso, vale lembrar que, primeiramente este romance foi uma radionovela veiculada pela Rádio Tupi em 1945 e coube a consagrada cantora, radioatriz e ser a primeira a dar vida a memorável personagem de Dupré.
Recorte da Revista Radiolândia de 1958 elogiando o trabalho de na   e Lima Duarte que participou da inauguração da TV e também trabalhou com dublagem, por exemplo: foi a voz do gato Manda Chuva do desenho animado de .
  •  Os irmãos atores e dubladores: Selton e ; Wendel e e o amigo , iniciaram suas carreiras artísticas ainda na infância e são vozes bastante conhecidas e admiradas pelos fãs de dublagem. Mas, talvez, nem todos saibam que os caminhos destes artistas se cruzaram antes na TV e publicidade e depois é que passaram a dividir as bancadas nos estúdios de dublagem. É o caso da infantil Braço de Ferro (1983) exibida pela Rede Bandeirantes que contou com a presença de Selton e os irmãos Bezerra e a novela A Gata Comeu (1985) exibida pela Rede Globo que tinham Oberdan e Danton fazendo parte do elenco infantil, integrantes do famoso Clube dos Curumins. Na dublagem a gente cresceu ouvindo essas vozes em muitos desenhos e filmes como: Denver O Dinossauro que contou com Selton e Oberdan em seu elenco; Charlie Brown dublado por Selton; Bob Esponja e Goku dublados por ; Tintim dublado por Oberdan; Os Goonies, contou com as vozes de Oberdan, Selton e Danton e ainda Peter Parker -Homem Aranha 3D e Shun de Andrômeda – CDZ dublados por .

Bastidores da novela Braço de Ferro em 1983 na TV Bandeirantes. Na imagem vemos: Selton e Wendel, lado a lado de pé à esquerda e abaixo, na primeira fila, à esquerda encontra-se Danton (de camisa azul) e no canto à direita Ulisses.

Parte do Clube dos Curumins da novela A Gata Comeu de 1985 exibida pela Rede Globo. No canto esquerdo Danton e no canto direito Oberdan.

, entre os colegas de elenco, é dubladora e apresentou o programa Club/ Cruj no SBT na década de 90 e início dos anos 2000, interpretando as personagens Malu/Maluca.

na época do Cometa Alegria exibido pela Rede Manchete no final dos anos 80 até o início dos anos 90 do qual era o apresentador ao lado de Cynthia Rachel, a Biba do Castelo Rá-Tim- Bum.

“Não tem chororô este jogo acabou!” Esta era uma das inúmeras frases ditas pelo fenômeno de audiência, o duende Hugo, na voz do . Esse jogo virtual, foi o primeiro game da TV brasileira e exibido pela CNT/Gazeta na década 90.

como Capitão Furacão em 1965 no primeiro exibido pela Rede Globo. Foto: acervo O Globo. 

Alguns dos personagens dublados pelo saudoso e brilhante .

Muitos produtos audiovisuais, claro, foram dublados na empresa mais lendária deste país, a: . Aliás, Richers foi muito amigo de , tanto que quando houve um terrível incêndio na emissora, foram cedidos a Globo os estúdios da para que fossem gravadas suas novelas.

Mais tarde, foi a vez de se render ao líder do mercado na época, que nos presenteou com dublagens memoráveis de várias novelas mexicanas. Afinal, quem não se lembra dos inúmeros bordões e discursos ditos por como Paola/Paulina (Gabriela Spanic) em A Usurpadora e , a voz da Thalia, em Maria do Bairro, Marimar, Maria Mercedes e outras? São interpretações marcantes, tão icônicas que rendem comentários e memes até hoje.

Além destes artistas, vale mencionar também os nomes de: e importantes diretores de dublagem que também atuaram em produções televisivas. (E sobre esta última falaremos mais detalhadamente em breve, aguarde!)

Alf, O Eteimoso, Um Maluco no Pedaço, Família Dinossauro, A Gata e O Rato, Zorro, Chaves, os desenhos de Disney e , os filmes da Sessão da Tarde, Tela Quente ou do Cinema em Casa, as novelas mexicanas, os tokusatsus e animes e outros tantos produtos audiovisuais, só estão presentes em nossa memória porque tiveram a dublagem como propulsora e o talento artístico incontestável dos dubladores que criaram a .

E claro, uma vez que a dublagem se fez obrigatória na TV e se estabeleceu por necessidade, gerou acesso para a maioria das pessoas aos produtos audiovisuais, incluindo suas diferentes necessidades e contribuindo para mais memórias inesquecíveis nos telespectadores.

Estas foram algumas recordações pessoais e pesquisadas que decidi trazer para a coluna a fim de celebrar a dublagem e os 70 anos da TV no Brasil (comemorados a partir do dia 18 de setembro de 2020) e dar um panorama da imensa importância de ambas na formação cultural brasileira. São muitas as histórias, as memórias, as emissoras, os artistas, os programas etc.

Aqui na coluna é sempre feito um recorte do tema, porque também não é possível que me estenda tanto, embora isso aconteça às vezes (=D), mas podemos continuar aqui nos comentários. Pode ser? E eu também estou sempre recordando nas minhas colunas algumas destas memórias!

O mais importante mesmo é aguçar a sua curiosidade, portanto, se você gostou do texto e deu vontade de saber mais: explore outras fontes! Há vários livros, almanaques, revistas, entrevistas e documentários que contam a história da TV e da dublagem, ou seja, vá atrás, pesquise! “Dá um Google!”

No canal , por exemplo, há várias entrevistas incríveis com vários desses dubladores que citei aí em cima, então: #ficaadica pra depois dessa leitura.

Fique à vontade para recordar as suas memórias e descobrir mais sobre o vasto universo televisivo e afins. Mas, não se esqueça de voltar, porque temos muito ainda para conversarmos nesta coluna! Por agora, quero saber: o que achou do texto de hoje?

A TV também despertou seu interesse por dublagem? E como foi? Conte-me tudo! Até breve e compartilhe a coluna com seus amigos!

Compartilhe:

Especialista em Gestão Cultural, Museóloga e Educadora. Amante das artes, defensora do patrimônio, propagadora de memórias e uma entusiasta da dublagem. 💛😊

Posts Relacionados

0 0 voto
Article Rating
Inscrever-se
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
View all comments
Amanda
Amanda
18 dias atrás

Nossa, Maisa! Essa coluna me fez relembrar de vários programas maravilhosos! Por exemplo, eu amava TV Colosso! Tenho um VHS dele até hoje!!
Estava sentindo falta das suas colunas! Não fique muito tempo longe do site!

Srta. Lê
Srta. Lê
17 dias atrás

Mai querida, nesse comecinho de noite ter a oportunidade de ler um texto tão bem escrito, e com tanto carinho, nos trazendo doces lembranças e nos apresentando informações tão intereses é sem dúvidas um presente!

Obrigada por escrevê-lo, obrigada por sua pesquisa, dedicação e amor a essa arte!

Tv Colosso e Tv Cruj… Minha infância não seria a mesma sem elas, meu amor por cães se deu por “culpa” da Priscila rs, e eu era tão fã da Tv Cruj que tenho uma foto de aniversário com a TV ligada ao fundo passando a programação haha
Como dissestes tivemos a honra de ter a tv como nossa babá e amiga, e com o Tele Curso 2000, que eu assistia todos os dias antes de ir pro colégio, além de incontáveis outros programas e séries educativas, podemos dizer que ela também foi um pouco professora rs Sempre fui apaixonada por basicamente todos os programas, e meu dia era “cronometrado” para dar conta de fazer tudo e não perder meus programas favoritos… Entre eles as telenovelas que aprendi a amar quando ainda era bem novinha… E uma das minhas favoritas de todos os tempos é justamente “A Usurpadora”, a vi e revi uma par de vezes hahaha

Então, parabéns pelos 70 anos da televisão em nossas vidas, parabéns também a todas as emissoras que ajudaram a escrever essa história, e claro a todos os atores que deixaram suas marcas seja com sua imagem e voz ou apenas voz. Sem eles essa história não seria a mesma rs

E parabéns a você por escrever tão bem e nos presentear constantemente com textos saborosos de se ler! Obrigada e até breve, breve mesmo, hein?! 😉