Fábio Lucindo

UM

ESTREIA! Fábio Lucindo, ator e dublador, começa a sua jornada no site Versão Dublada em sua coluna semanal trazendo crônicas e ficções do dia a dia da dublagem.
Compartilhe:

Quando certa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado num cronista. Estava deitado sobre alguns livros e, ao levantar um pouco a cabeça, viu seus óculos distantes, sujos, divididos por nervuras arqueadas, no topo dos quais a coberta, prestes a deslizar de vez, ainda mal se sustinha. Suas duas mãos, lastimavelmente mudas em comparação com o alcance de sua voz, tremulavam desamparadas diante dos seus olhos.
– O que aconteceu comigo? – pensou.

Não era um sonho. Seu quarto, um autêntico quarto humano, só que um pouco pequeno demais, permanecia calmo entre as quatro paredes bem conhecidas, era um quarto/estúdio. Sobre a mesa, na qual se espalhava, todo enrolado, um par de fones de ouvido – Fábio era /.

Prendia a imagem que ele havia recortado fazia pouco tempo de uma revista ilustrada e colocado numa bela moldura dourada. Representava um senhor de chapéu de pele e boá de pele que, sentado em posição ereta, erguia ao encontro do espectador um microfone, era Michael Stoll.

O olhar de Fábio dirigiu-se então para a janela e o tempo turvo – ouviam-se gotas de chuva batendo no zinco do parapeito – deixou-o inteiramente melancólico.

– Que tal se eu continuasse dormindo mais um pouco e esquecesse todas essas tolices? – pensou, mas isso era completamente irrealizável, pois estava habituado a falar textos de terceiros em vez de escrever seus próprios, e no seu estado atual não conseguia se imaginar nessa posição. Qual quer que fosse a firmeza com que pegasse a caneta com a mão direita, balançava sempre de volta, pois é canhoto.

Tentou isso umas cem vezes,  fechando os olhos para não ter de enxergar a grafia desordenadamente agitada, e só desistiu quando começou a sentir na mão esquerda uma vontade nunca experimentada, leve e surda.

– Ah, meu Deus! – pensou. – Que profissão cansativa eu escolhi. Entra dia, sai dia – dublando. A excitação comercial é muito maior que no próprio estúdio e além disso me é imposta essa canseira de “quebrar galhos”,  a preocupação com a troca de personagens, as refeições irregulares e rápidas, um convívio humano que muda sempre, jamais perdura, nunca se torna caloroso. O diabo carregue tudo isso!

BORA ESCREVER NO VERSÃO DUBLADA!

Ygor fez o convite.

Aceitei.

Apelei pra um pra começar essa minha metamorfose.

Desculpem a eventual covardia.

Avante!

Quer me falar algo? Deixa nos comentários ou me manda um e-mail! fabio.lucindo@versaodublada.com.br


Compartilhe:

Posts Relacionados

1 de 50
0 0 votos
Avaliação
Inscrever
Notificar-me:
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Nos ajude com o seu comentário.x
()
x