SEIS

: Texto no Versão Dublada

Recapitulado…

ruim é aquele que “canta”!

Me explico.

Dentro da chamamos de “cantar” aquela forma de falar bastante artificial e forçada, na qual, o invariavelmente estica a duração das vogais para acertar o sincronismo, criando assim uma prosódia estranha que chama atenção mais para si que para o conteúdo. 

É realmente bem tosco. 

E é justamente esse modo de falar que a maioria das pessoas reproduz quando quer emitir julgamentos rasos sobre o tema da .

O problema aqui é a generalização, dizer que TODA é assim. 

Isso é extremamente redutor além de ser falso.

Recentemente uma tentou incrementar seu número de seguidores e adquirir seu ingresso para a lacrolândia com alguns vídeos mostrando que assistir filmes dublados mudou sua própria forma de falar. Ela começa falando naturalmente e termina “cantando em dublês”.

Em seguida, , produziu um “TikTok réplica” extremamente preciso e pontual onde mostrou na prática, e muito melhor que eu aqui, os equívocos contidos na manifestação da jovem.

Flora, aliás, merece um texto a parte. Hoje, além de ser uma das melhores diretoras e dubladoras do mundo (sem exagero, é uma questão de lógica – se a dublagem brasileira é considerada uma das melhores do mundo e Flora é uma das melhores do Brasil, logo…). 

Flora é uma referência profissional, social, política e afetiva gigante dentro do mercado contemporâneo, praticamente uma neo Alessandra Araújo. (isso é muita coisa!)

Os vídeos da moça em questão são mais um sintoma que uma síntese. Sintoma de tempos onde opinião se confunde com análise crítica.

Como disse anteriormente, imagino que a intenção da garota tenha sido muito mais ser notada que iniciar qualquer tipo de debate sério sobre o tema. (outro sintoma contemporâneo)

Fato é que dubladores ruins existem, diretores ruins existem e dublagem tosca existe. Isso serve pra qualquer profissão.

Repito:

O equivoco está na generalização. O resto é feed de “me notem”.

Agora, pra desenvolver o tema e deixar outro gancho para o próximo texto, vou de leve “polêmica”. Falando de dublagem boa, dublagem bem feita, dublagem séria, cuidadosa e bem executada.

Mabel César, talvez a mais notável das dubladoras da atualidade, diz em seus vídeos e aulas que a dublagem boa é invisível

Discordo. 

A boa dublagem, como eu a entendo, é transparente. (e sim, existe muita diferença entre ser invisível e transparente)

Eis o mote para o próximo texto.

Até lá!

Gostou desse post? Deixa nos comentários ou me manda um e-mail!
fabio.lucindo@versaodublada.com.br

Compartilhe:

Posts Relacionados

5 1 voto
Article Rating
Inscrever-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
View all comments
Cauã Z
Cauã Z
17 dias atrás

Bom trabalho Fábio, muito bem apresentada sua crônica